domingo, 30 de dezembro de 2012







FACTOS NACIONAIS

“Encontrou-se, em boa política, o segredo de fazer morrer de fome aqueles que, cultivando a terra, fazem viver os outros.”(VOLTAIRE)



Estamos no fim de 2012:ao entrarmos em 2013, os portugueses vão sofrer uma carga de impostos  sem igual na nossa história; uma verdadeira hecatombe, uma “bomba fiscal”, como dizem os economistas e comentadores políticos, que vai levar o povo e o país tão longe na miséria, como não somos ainda capazes de imaginar, até chegarmos à altura de receber os ordenados e as pensões de reforma do mês de Janeiro. Teimosa e cinicamente, o primeiro –ministro, que não tem ideias sobre o que há-de fazer para endireitar o país, recusa-se a renegociar com as entidades europeias e o FMI (Fundo Monetário Internacional) prazos mais alargados , preferindo roubar os salários aos funcionários públicos e cortar  nas pensões dos reformados pobres, sem tocar nas grandes fortunas , nos ordenados chorudos dos amigos políticos e gestores , escandalosamente pagos  com o suor dos mais pobres, pois aquela cabecinha paranoica chegou à conclusão que os reformados que trabalharam e pagaram impostos ao longo de 30 e 40 anos, não pagaram para terem as reformas que hoje têm!
Como é que, eu, por exemplo, podia, há 40 anos, pagar “mil” se recebia só “cem”? A verdade é que paguei sempre o que o Estado entendia justo-por isso me retinha os impostos na “fonte”!-Grande “tirada” de um cérebro lúcido, ajudado por um ministro das finanças, que não acerta uma!

Os reformados estão sem subsídios de Natal e 14º mês…o IRS aumentou desmesuravelmente para se evitarem cortes nos ordenados dos gestores, administradores e políticos, os políticos e deputados lá tiveram direito aos seus ordenadinhos por inteiro, porque –coitados!- têm que comer bem, andar em boas frotas de carros e , é claro que os reformados e pensionistas não podem ter os mesmos direitos!

Ontem, ouvimos da boca de um médico, secretário de estado da saúde, que os portugueses TÊM que se convencer que a SAÚDE está cara e tem que continuar a aumentar porque OS PORTUGUESES TÊM QUE PREVENIR AS DOENÇAS E NÃO IREM TANTO AOS SERVIÇOS DE URGÊNCIAS! Pasmem, senhores! Na realidade para este homem, um bom doente é um doente morto! Um bom idoso, é um idoso morto! Diminuiu tremendamente o número de doentes nos hospitais e fala-se, como é natural, em grande número de gente que não pode pagar os medicamentos, os exames médicos e muitos que já nem os hospitaisfrequentam( pois  vão continuando a fechar!), enquanto proliferam clínicas privadas sumptuosas a que os pobres não podem aceder, por não terem possibilidades de pagar os médicos e as doenças!

PORTUGAL É UMA CATÁSTROFE, A TODOS OS NÍVEIS!
Só cá podem viver os ricos e os privilegiados amigos de quem tem poder.
Boicotei a mensagem de natal do passos coelho! Não a quis ouvir, pois este homem não diz uma verdade e não tem sentimentos, continuando os seus discursos com ameaças veladas de continuação das suas tristes e incapazes políticas, que só nos conduzem a lojas fechadas a esmo, por todo o país, a um número de desempregados que ultrapassa o milhão, a ver os nossos amigos a emigrarem como nos anos 60, os jovens a fugirem do seu país que os formou e não lhes dá emprego, enfim, um rol de misérias que de que é difícil falar, mas que esperamos que acabem no “enterro “deste desgoverno, com pompa e circunstância”!
Que me traria , de novo e humano, uma mensagem de tal personagem, que tem o “barco sem leme nem rota” e é incapaz de mostrar humanismo?

Pois o PEDRO, como assinou noutra mensagem de natal, na sua folha do FACEBOOK, fez ,aí, quase um acto de contrição, gozando com o povo na miséria, ao dizer coisas que não sentia…porque ele não tem sentimentos como os que deixou transparecer nesse espaço virtual! Não seria a LAURA (sua esposa) quem escreveu essa mensagem??????
Meus amigos: fiquemos, hoje, por aqui…Há tantas coisas de que falar, mas são todas tão tristes…Só vos digo que as opiniões de muitos milhões de portugueses é , como dizem os jornais, que nenhum político foi tão odiado como é o pedro, hoje, neste país destroçado.

Maria Elisa Rodrigues Ribeiro- DEZ/012(30)





quarta-feira, 26 de dezembro de 2012




ALFABETO DE ILUSÕES


Quando o sol se cansa de brilhar
é hora de a noite acordar.
…e acorda, anoitecendo…
…e meus sonhos cavalgam pelos mistérios do  escurecer,
nos raios do luar.
-------------------------------------As brisas não têm força para fechar a porta onírica
-------------------------------------onde as flores se transformam em delícias-do-absurdo…
-----------------------------------…onde as neblinas se afastam dos montes
------------------------------------com passos de veludo, e se encerram nas águas do mar
-----------------------------------que se esforça por descansar,
-----------------------------------quando as sereias assomam à crista das ondas plácidas
------------------------------------para sorver o devanear.

Invento, nesse momento, um alfabeto de ilusões
que disperso nas nuvens-a-voar                                           ao encontro do próximo
sol, a nascer!


Navegante no sonho de me encontrar
Crio versos-universos                             caravelas de letras a vogar

                                nas ondas do pensamento-mar! 
    

Meu sono gela
ao passar pela infância-------------------o Outrora do meu Agora!  


Mas as palavras, complacentes, devolvem-me ao ar dos campos
e ao restolhar da vida da floresta,
                                                            onde o sol se apresta a clarear.


Acordo na minha cama-alfabeto com o doce cheiro
do verde brilhante das sílabas dos campos,
onde rubras papoilas se agarram ao trigo loiro
no aroma de frutos maduros, macios como uma infância
escondida em mística redoma… 

E no  ar soa uma onírica lira…
Oiço-a num lençol de espuma lexical
onde grito ao vento a minha ira
feita de mágoa,
num verso de dor-amor-vida!


Marilisa Ribeiro-Nov/012-CP 15(VDS)  


domingo, 23 de dezembro de 2012



POEMA:

CHAMAMENTO



Parece acontecer
sempre à hora de abrir a janela à magia do sol,
que já cobre a serra de quente luz doirada.
Movem-se lentamente as cortinas,
por força das brisas ondulantes
das aragens permanentes.
É uma espécie de chamamento…místico…envolto
em sombras da memória, que aparece, naturalmente,
a recordar horas de glória, quando corríamos pelos silvados
com a força da alma impressa nos passos dados…estouvados…coloridos…

A serra chama-nos, porque a natureza recorda os ventos de emoções,
dos recuados tempos da nossa história…

São, ainda, momentos recortados na copa das árvores
que eu desenho em palavras-de-papel ,que vão secando
à janela da vida, num rastilho de sonhos,
acompanhados pela eterna claridade de uma música
que nos não cabia nas mãos, então entrelaçadas na sinfonia do olhar.

Passam-me, em frente à janela, passaritos esvoaçantes
a cantar a verdade do sol que, para eles, é hoje como foi antes…
No nevoeiro que se levanta das orlas do vale, diluíram-se
as impressões digitais dos nossos sentidos,
amontoados em versos de poemas dispersos pelos ventos
do chamamento,
dos tempos sobressaltados por noites
de cenários milenares…

Amo esta sensação mágica do chamar por ti
a deslizar pelas sombras das vivências, em golfadas de solidão
dos tempos perdidos , guardadas nos espaços da memória da serra…

Se o ouvires…restituiremos à luz da manhã a serenidade
-do-momento-interrompido pelo alto mar de um milagre adormecido…



Marilisa Ribeiro-DEZ/012-CP15-(VDS)

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012





NATAL/2012


Não tenho vindo ao meu blog para passar os olhos pelas notícias de PORTUGAL.
Não me tenho sentido motivada para falar das nossas angústias, tantas são…
Venho para saudar os amigos de tantos países , que me visitam regularmente, vindos de todas as latitudes e que são para mim, o “PAI-NATAL” de todos os dias do ano!
Venho para vos desejar um Feliz Natal e uma entrada no novo ano,  ( que para os portugueses não vai ser de alegria)-cheia de alegria , trabalho e pão! Que o mundo em que viveis vos recompense das vossas qualidades de trabalhadores!
Natal, dizem, devem ser todos os dias do ano…Como isso é “pouco verdade”…Olhemos o mundo à nossa volta…

FELIZES FESTAS, MEUS CAROS AMIGOS!

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

POEMA: BALADA DO ENLEIO..





BALADA DO ENLEIO


A manhã  quer romper…é só o brilho do sol na fria
nudez do mundo…é também o abrir do céu azul
à inocência do voo das aves…é ainda a ligação da
génese natural de todas as origens-à-Origem…
A lua afastou-se para outro anoitecer e eu,
depois de acordar, sentei-me à mesa da manhã brilhante
a tomar o café com as flores murchas da memória,
a lembrar traços da minha história, ao som das águas do rio
a fervilhar e dos pássaros a voar nas-letras-a-acontecer.

A noite escondeu-se nas estrias das nuvens
e rebentaram os soluços dos flocos de algodão
que  voaram-em-ventos-de-solidão.
Permanecem, nas orlas do escurecer, os beijos dos amantes
que se recusam a esquecer o gosto da saliva quente,
 daquela  hora -de-morrer-a-viver…

As asas das borboletas tecem baladas de enleio
quando elas sugam o seio das flores, enamoradas
de raios de luz, com que o sol matinal as seduz.

O silêncio do amanhecer dita-me palavras para te recordar…
…mas só eu lhes dou alma para te verem acordar…
E a vida perfuma-se ao derramar ternura nos nós dos dedos
que te bailam na palma da minha mão…
Indescritível, porque divino, é o som da balada do nosso antigo enleio
quando, inocentes-do-futuro-a-vir, lhe tecíamos teias para se não perder.
O nosso relógio-a-viver era perfeito
quando lhe dávamos a corda da alma
que o céu descobria,
em raios de sol de alegria!

                                           Entretanto, chegaram os pássaros a acordar
                                           o ar  em que repousamos;
                                          O mar bate, sonhador, contra as falésias;
                                          Uma maré de espuma acastanhada aterra-me aos pés
                                          no aroma da madrugada…

E a força de um canto interior…esta poesia que recorda tempos de amor,
inunda vagas de ternura no enleio da alma -a-flutuar…


Marilisa Ribeiro-NOV/012-CP15 (VDS)

domingo, 9 de dezembro de 2012

“SOLIDÃO…EM COMPANHIA”

Fala só comigo, essa voz da solidão em que vivo;
Conhece as horas do meu rir e do meu chorar;
No intervalo, obriga-me a meditar…

Momentos da minha solidão, corajosos, aceites, desinibidos,
roçam a minha pele nua, macia,
pronta a aceitar as carícias do dia,
que se envolvem, depois,
numa manta de LUAR,
pronta a desaguar no ruído sibilino dos ventos,
que beijam de amor a maresia…

Minha VIDA está marcada pela tua presença constante, arrojada,
enquanto tento quebrar os laços que nos prendem, uma à outra,
soprando as ondas para que vás na jangada,
SÓ!
e a prata do MAR se deixe apanhar, numa rede de ninhos de AMOR
Do pescador…

ÁGUAS DO MAR…MEU RELÓGIO CLANDESTINO
DO TEMPO QUE VAI PASSANDO!...

A música que expeles, traz-me serenidade, em noite de estrelas,
enquanto me enrolo nesta solidão enfeitiçada,
tocada pelas memórias dos feitos-refeitos, da Infância atribulada!

A minha pele salgada correu os Oceanos,
que me foram possuindo nos Sonhos de maresia,
até nascer cada novo dia…

E este corpo roubado pelo mar prepotente
sabe a sal,nos Sonhos que deslizam perante
o espelho,onde os vejo… através da minha imagem!

E, quando encontro a Alegria, danço, descompassada
ao som da sinfonia das águas que me lambem os pés,
me enrugam a pele macia, me tocam o corpo, sensualmente,
cheias de estranha, viril, energia…

A MINHA VOZ INAUDÍVEL FALA
COM A MINHA SOLIDÃO, VISÍVEL…
E EU SOFRO… RIO… MEDITO!
EXPLUDO DE SENSAÇÕES…
(Sonho sensível... do qual não tiro conclusões…)


C8H-13/49 (ert)- Junho /2010



Marilisa Ribeiro

domingo, 2 de dezembro de 2012




ESTAMOS EM PORTUGAL...
ONDE VAMOS PASSAR O RESTO DA VIDA?


O sentimento dos portugueses, em geral, (à excepção dos ricos e dos privilegiados) passa por esta interrogação dramática.
Dados de há dias, da OCDE (Organização para o Comércio e Desenvolvimento Europeu) afirmam que, no espaço de um ano, desde Out/011 a Out/012 o desemprego subiu , em Portugal, de 13,7 para 16,3 e o número de desempregados ultrapassa largamente, segundo fontes não oficiais e a que o desgoverno de direita não quer dar atenção,o milhão de portugueses!É premente esta pergunta:"ONDE VAMOS PASSAR O RESTO DA VIDA?"
Esta cifra de desempregados é uma hecatombe social e civilizacional! Somos levados a séculos atrás, na nossa História, para encontrarmos um período tão negro da nossa vida de país. Milhares de casais sem emprego, lojas, farmácias, restaurantes e milhares de empresas fecham, mensalmente, a um ritmo assustador, pondo na miséria empregados e patrões que já não aguentam a destruição do país, como este governo desacreditado, autoritário e ditatorial está a promover, com um maquiavelismo próprio de cérebros doentes.Continuam a fechar Centros de apoio à saúde das populações a um ritmo alucinante, sem que, quem dá ordem de encerramento, dê alternativas humanas aos pobres, idosos e outros desprotegidos, de regiões que distam horas das cidades mais próximas, por caminhos de montanha, obrigados a morrer pelo caminho, pois deste modo se poupa em pensões, em médicos, em enfermeiros, em medicamentos...E isto, sem.que se veja o serviço de saúde um pouco menos aliviado de dívidas...Ontem à noite foi a vez do centro de apoio à saúde de GÓIS! O povo diz BASTA! Mas, infelizmente, estou convicta que as palavras já não bastam, perante a doença mental dos desgovernantes que nos estão a matar, aos poucos!

Somos um barco roto nas mãos de falidos mentais que só querem roubar , através de impostos desmesuráveis e contra o espírito da Constituição, os ordenados dos pobres, reformados e funcionários para os "perderem", como quem vai a um "casino" , sem ter sorte, nem dinheiro!

O OE/13 (Orçamento do Estado para 2013), foi aprovado no Parlamento pelos tipos do desgoverno, no meio de manifestações como nunca se viu e com os votos contra , de toda a Oposição. Ele é, como dizem os grandes cérebros da economia, muitos fiscalistas e políticos da nossa "praça", uma verdadeira "bomba fiscal" que os pobres não vão poder pagar ...Quem não pode pagar , porque já foi espoliado no orçamento anterior, não sabe como vai poder viver.E os ricos ...continuam ricos...cada vez mais ricos...sem pagarem na proporção do muito que têm e que ganham...O Presidente da República não fala ao país, senão para dizer banalidades , sem dar esperanças ao povo que jurou defender, sem se querer meter em problemas porque é da cor do desgoverno a quem dá o braço.Tudo nos foi roubado! Os ordenados e pensões descem  assustadoramente...os subsídios de natal e de férias foram-nos roubados... há mais uma sobretaxa de IRS e vamos ficar com as mãos vazias de tudo, até da ESPERANÇA em dias melhores porque o ministro das finanças não "acerta uma" e não sabemos para onde vai o nosso dinheiro! TUDO É TRISTE EM PORTUGAL! A cara de passos coelho é um incentivo à nossa revolta, pois o homem só fala do dinheiro que VAI CONTINUAR A ROUBAR DOS ORDENADOS E PENSÕES DOS POBRES!Não fala, como seria de esperar, de medidas para pôr o país a produzir ou de incrementar o desenvolvimento económico; estamos à deriva!

Os pensionistas e reformados trabalharam 30-40 anos tendo pago os seus impostos , para terem agora uma reforma ; condigna ou não, era a nossa reforma!
Numa atitude de puro maquiavelismo, sabendo que não podemos emigrar ou fazer outro trabalho,( pois nem para os jovens o há) ,com mais de sessenta anos de idade  que força tem um pobre ser para se revoltar, ao olhar para o bolso e ver-se sem nada?Resta-lhe ficar aqui , a morrer aos poucos e a ver os jovens a abandonar o país, declarando um corte definitivo com o mesmo!

Resta esperar que estes indivíduos da mais suja direita que este nosso povo alguma vez pensou voltar a ter, "expluda" por força da falta de sabedoria governativa, para que possamos ter esperanças de viver!Só confiamos nas lutas sociais para travar a monstruosidade destas políticas de falta de humanidade!

Milhares de crianças vão para as escolas sem comerem e muitas das câmaras já têm as escolas abertas à hora do pequeno almoço, para darem o leite aos pequeninos!
Várias individualidades da vida política, social, empresarial, escritores,pensadores , filósofos, fiscalistas , etc escreveram uma carta ao primeiro-ministro  com conhecimento ao Presidente da República, pedindo que desista deste tormento contra o povo e dando a entender ao PR que deve vetar o Orçamento de desgraça do país,porque o mesmo não é um orçamento, é um garrote fiscal que vai muito para além dos compromissos assumidos com as entidades internacionais.

Alguém espera que Sua EXa o faça?

Despeço-me com esta frase de MAQUIAVEL: "Há três espécies de cérebros:uns, entendem por si próprios.Os outros, discernem o que os primeiros entendem.Os terceiros,não entendem ,nem por si próprios nem através dos outros.Os primeiros são excelentíssimos;os segundos, excelentes;os terceiros... são absolutamente INÚTEIS!"


Mealhada, 2 de Dezembro de '12

Maria Elisa Ribeiro
lisitarodrigues@gmail.com
http://lusibero.blogspot.com



quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Poema : HORA-SÓ 


HORA-SÓ


Estende-se a Hora, pelo tempo fora,
numa infinda viagem de horas e horas.

Nada a satisfaz…devoradora da paz que não sente
os tormentos de solidão dos olhos que a miram,
enquanto na espuma do mar procuram palavras
de um poema-a-delirar!

E olho para trás…para um resto de caminho
onde me cansei de não andar.

Palavra-Só do Ser desamparado numa viagem
que tritura como mó de moinho, no velho atalho
coberto de infâncias-desesperadas-de-novas-ânsias.

De saudades esburacada,
a alma está- absurdamente-sentada dentro de mim,
tal penedo cimentado,
virado ao sol do mistério
onde brinquei –no-sem-medo-de-viver-ou-de-morrer!

E cada momento vivido nas páginas de meu livro, em branco,
é a procura sentida da ilha abandonada,
fechada em horizontes perdidos, num porto do Além-Algures-Talvez .
Abro, pois, a janela daquilo que sou!
Deixo entrar o mistério que no quarto ficou
-----------------------------------------------e vou respirar, das folhas das árvores,
-----------------------------------------------o perfume do amor de uma flor que desabrochou.

Vou Estar-Só-Comigo-Só-
-num-poema-que- não-resultou.



Marilisa Ribeiro- (VDS)-Julho/012

domingo, 25 de novembro de 2012




VERTICAL


Minha canção
de deslumbrada viagem
numa sinfonia,
 em pautas de desejada euforia.

Raio de sol
                   na harmonia das árvores que falam
                            ao sabor dos rumores das brisas, em luminosa sintonia.

Catedral paradoxal movida por pautas
-----------------------------------onde notas da melodia se expandem no fim de um dia,
----------------------------------------------------ao entrar na noite de um silêncio-vertical.

Canção-poema
a  despertar uma ousada onda do mar…

Minha canção
da deslumbrada aragem que afasta fantasmas
da passagem -de –Ti--------------------------claridade-de-Mim,
na verticalidade original da catedral-poema.



Marilisa Ribeiro-Junho/012-C15P(VDS)

terça-feira, 20 de novembro de 2012

VERDADES INCONVENIENTES...A POLÍTICA QUE "ELES" FAZEM...



É claro que," pelos nossos jornais", só podemos estar a falar de PORTUGAL! E há tanto para dizer, que me vou cingir aos factos mais significativos da vida deste país.

1-No dia 14 de Novembro teve lugar uma grandiosa GREVE GERAL convocada pela CGTP-INTERSINDICAL que  mereceu a adesão de milhares  de portugueses de muitos sindicatos não inscritos naquela central, de idosos, de desempregados, de doentes e crianças, ao colo dos pais.Variadíssimas classes sociais, deste país à beira da catástrofe, tomaram parte no protesto, pois que estamos todos a ver que o governo, através de passos coelho e vitor gaspar, não descansam enquanto não destruirem este povo|! Portugal cansou-se deste governo, destas políticas que nos comem a "carne" e , daqui a mais, os próprios ossos.No fim da manifestação, alguns milhares de pessoas concentraram-se em frente da Assembleia da República, a maior parte em protesto contínuo e pacífico, até que, meia dúzia de cobardes -velhacos-vândalos começaram com os distúrbios que foram notícia em todo o mundo, e que envergonharam os que , pacificamente, lá estiveram. Infelizmente, há seres deste calibre em todas as sociedades;infelizmente,também, a polícia até os vê por lá, sabe quem eles são, mas nem sequer lhes vai tirar as máscaras odiosas com que eles se encobrem, para arrancar pedras da calçada e lhas  atirar à cara e aos escudos de defesa!

Desejo que, quem me lê fora de Portugal, saiba que os manifestantes pacíficos não tiveram nada a ver com os desmandos dos seres sem cérebro, que insultaram os agentes da autoridade!Que a polícia tenha tido que agir contra os energúmenos, aceita-se, plenamente, se não tivesse esquecido os tais, para arremeter como bestas furiosas, a certa altura (que eles dizem ter anunciado por microfones potentes)contra tudo e contra todos, sem ver a quem! Havia idosos , havia pais com filhos pela mão e ao colo, havia gente inocente a ver , sem fazer mal a ninguém
.Regra geral, as nossas manifestações são pacíficas e ,tirando esses tipos profissionais dos desmandos, não costuma haver problemas  de maior entre o povo e   as forças da ordem.Mas desta vez estava escrito que o pacifismo não dá oportunidade de METER MEDO ÀS GENTES FACE A PRÓXIMAS MANIFESTAÇÕES...

2-A certa altura, com uma brutalidade inusitada, como se obedecessem a ordens,os  polícias, que alegam terem avisado por autofalante, arremeteram contra tudo e todos, principalmente contra quem nada de mal fazia ou fez, esqueceu os vândalos cobardes de máscaras e ,em cerca de 1/ 2 minutos limparam o parlamento de elementos idosos e crianças, tendo deixado fugir por todos os becos os cobardes atiradores de pedras, que os senhores polícias viram arrancar das calçadas.
No fim da sessão parlamentar , "aquele que ocupa o lugar de primeiro -ministro", como bem diz a jornalista São José Almeida, no PÚBLICO,nada sabia do caso e não  queria pronunciar-se sobre os incidentes;o senhor que manda nas polícias disse algumas coisas...o suficiente para os portugueses verem que ele sabia de tudo e mais de alguma coisa, mas que estava muito ofendido por lhe perguntarem se havia elementos policais à paisana, infiltrados entre os manifestantes para acirrarem os ânimos e conduzirem os acontecimentos para a via da repressão!

3- No dia seguinte, o  seu ar de ofendido foi desmascarado, quando a própria polícia admitiu ser isso VERDADE!|
Mas é nesse dia seguinte, também, que todos viemos a saber que as pessoas levadas para estabelecimentos prisionais e afins, foram tratadas "abaixo de cão!", como fazem nos países dos mais reles ditadores do mundo que tanto condenamos, quando conhecemos os factos dos horrores.
Não os deixaram telefonar às famílias, aos seus advogados e as mulheres foram obrigadas a despirem-se completamente, como denuncia o cronista do jornal PÚBLICO, RUI TAVARES, na contracapa, do dia 19 de Novembro!isto, só para que se identificassem!
É caso para perguntar se andarão os polícias portugueses com falta de "estímulos"... Sim, porque nós todos sabemos em que partes do mundo se praticam actos destes...
Do Presidente da República, nem uma palavra sobre o assunto, a não ser para louvar o esforço das polícias na manutenção da paz;seria benéfico para a democracia "um lembrete" a  advertir os agentes da ordem para as suas obrigações no que respeita à salvaguarda dos direitos dos cidadãos!
Os agentes não quiseram ir atrás dos infiltrados e dos que eles viram arrancar as pedras da calçada e nós até sabemos porquê...

4-Acontece que, no próximo dia 27 haverá nova presença de portugueses , em frente à  Assembleia da República, em acto de protesto contra a aprovação, pela maioria governamental, do catastrófico (para todos os pobres!) Orçamento de Estado 2013.Esperemos, portugueses, que a coragem não tenha esmorecido e que os ditadores das contas públicas não tenham conseguido o seu intento de amedrontar o povo, pois foi isso o que eles quiseram fazer connosco!
Não temos outra voz a nosso favor!Identifiquemos os cobardes que se escondem ,com máscaras ou sem elas, para podermos falar mesmo que nada digamos! "Eles", lá dentro, "ouvirão" a nossa revolta e a nossa angústia de nos vermos sem dinheiro para viver, pois que nos estão a roubar tudo e a transformar-nos em escravos !
Lembremo-nos de que não há autoridades do sector Económico que não condenem este brutal Orçamento. Lembremo-nos de que o senhor vitor gaspar e "aquele que ocupa o lugar de primeiro-ministro", como muito bem diz a jornalista/analista São José Almeida, no seu artigo do dia 17 deste mês , no "Público", nada percebem ,nem estão interessados em perceber, das fomes ,desemprego, fecho de lojas e restaurantes...Eles não sabem e não acertam "uma"...Somos nós quem está a cair no poço fundo da miséria, que não víamos no país ,há quase 200 anos.Lembrem-se de que discordar deles faz parte da diversidade que é vital à Democracia!
Importa que, se não são capazes, como têm estado a mostrar há mais de um ano, se afastem...percam os "tachos" e vão daqui para fora...

TODOS À RUA NO DIA 27 DE NOVEMBRO!















segunda-feira, 19 de novembro de 2012

 
 
 
 
ESCREVO TEU CORPO


Ouço ainda o aroma das rubras pétalas

da noite,

que repousou a teu lado.

São memórias que estão guardadas

no imaculado silêncio do púrpuro cortinado,

enrubescido,

onde permanece o vulto de sermos-um-no-outro.

Adormeço embalada nelas,nessas rosas da lembrança

cujo odor está na vidraça...

Reescrevo o prazer desse tempo,

no leito dos dias,

quando oiço o lamento das cotovias.

Pelos dedos perpassa a ilusão da tua face,

que afaguei,

em secretos atalhos que escondi...

Acordo sempre-em-ti,

nos lábios de um sol que sorri,

quando entra pelo cortinado , afogueado...

Depois

...escrevo teu corpo...

...descrevo teu toque

e é com o brilho de teus olhos

que tapo a minha nudez...

Na vertente da verde colina-paisagem bucólica!-

um pastor sobe o atalho

com a precisão da normal peregrinação

para o pasto do rebanho...

Tudo é lindo e tudo é vida de brancos, lilases e azuis!

Tudo é sol a sorrir aos charcos e aos ribeiros!

E dentro de mim há um desejo premente de voar

para o infinito-morrer-de-viver-em-ti!



Sinto teus braços-segredo...

...um sopro na minha face...

...um olhar que embriaga, na inquietude da calma..

E minhas pétalas rubras, brancas e de qualquer outra cor,

perdem-se na alma do teu corpo, amor!

E se o vento fustigar, eu nem sequer vou ouvir!

Não quero que o teu respirar se confunda com outro sentir...

C15P-34-NOV/012

quarta-feira, 14 de novembro de 2012


DE  UM SOPRO (XXXI)…

 

 

 

………………………..tão escura é a noite de inverno

…………………………como a noite em que se adormece só…

…e tão altas são as árvores que cobrem a luz do luar

que aquece as copas………………………………………………………………

…e o silêncio  refaz-se dentro do próprio silêncio

ao ganhar vontade de se expressar até ao

infinito da natureza –a-cantar.

 

De um sopro

……………………………os passarinhos da noite não cantam…

                                  e abrigam-se no sono das folhas secas do ninho.

……………………………desconhecem o fim do caminho e não sentem

…………………………..urgência em pular etapas, pois o sol não vai

morrer, depois  de acordar  no alvorecer………………………………………….

 

De um sopro

………………………………deslumbro-me ao saber que,

……………………………..assim que ele adormecer

……………………………..virão  as estrelas do firmamento anunciar

……………………………..que  esse é o meu Momento……………………………..

 

De um sopro

………………………………tocas-me a alma com os olhos -a-brilhar.

……………………………..perco as palavras do poema a escrever.

…………………………….encontro-me com teus dedos, prontos a afagar.

 

De um sopro, sinto que a Terra é alegre e que minha boca tem beijos que falam de um doce alvorecer…que as açucenas lilases estão prontas-a-viver…que o vento passa por mim-sem-me-ver…que sou rio a deslizar no teu fluir descansado-de-tão-cansado de Me viver…

 

De um sopro, sinto ser águia fremente em busca de luz…neve escaldante de ternura a sufocar -no-sonho…rosa lânguida de macia pele, que seduz a voz da lua…magnólia de cálice aromático que , de um sopro, um lírio seduz……………………………………………………………………………………………….!

 

 

Marilisa Ribeiro- C 15-OUT/012

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

MEU SER…mulher-jasmim…



Céu… azul como meu Sonho!
Lindo, resplandecente, imenso
no meu corar…intenso!

Sonho meu Amor perdido
nas curvas da Terra…
…dando sabor ao céu, rendido…

Lábios nos lábios
ENTREGA TOTAL!
Perda de Sentidos
“…todos num confundidos”*

(circuito fechado: só tu e eu!)

Sussurros aos meus ouvidos…
Toques de mãos, desvanecidos…
Pele imensa, intensa, macia, recebe,
sem falsos pudores,
a Melodia de uma noite sem nuvens
nem açulas de predadores…

QUE de segredos!
Segredos do Amor…

Chove lá fora? Há luar de morrer?
Esta é a hora do meu”QUERO LÁ SABER!”

Sou aranha a tecer a TEIA…
Vida a agarrar vida
esvaída no suor
que sai de MIM
cheirando a JASMIM…

*- Palavras de um verso de GARRETT, no poema “Os cinco sentidos”.

C8H-111/46- (vds) -JNH/010

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

DECIDIDAMENTE...



Decididamente, o homem que exerce as funções de primeiro -ministro de Portugal não tem emenda, quando se trata de dar uma imagem de humano consenso...

São demasiados os episódios de falta de sintonia, principalmente em intervenções públicas onde vem ao de cimo a sua vontade de irritar tudo e todos, para mostrar que , quem manda é ele.

No que diz respeito às poucas e raras intervenções do Presidente da República, se este diz "sim" ele vem logo dizer "não"!...

Há dois dias, confrontado pelos jornalistas sobre a tal coisa a que passos coelho deu o pomposo nome de "refundação do país", disse o Presidente que todas as mudanças devem fazer-se com o consenso dos partidos e do povo ou da sociedade civil, como agora sói dizer-se.
Mas passos coelho vendo-se contrariado, veio ontem, perante as câmaras de televisão, com um prazer sádico, dizer , que a reforma irá para a frente, com ou sem a opinião do partido socialista!

(passos coelho cada vez mais, no seu PIOR!)

Maria Elisa-8 de Nov/012
AFTER-SHAVE (II) 

Marilisa Ribeiro


No bosque, uma clareira de verdes-vida!
Cheira a resina, after-shave natural dos pinheiros viris…
Na clareira, corre um riacho de margens farfalhudas
de arbustos ramudos, à espera de esconder…
O sol desce do céu em tons harmoniosos
cobrindo de vida o coração da terra.
O vale germina ao ritmo quente
do lento aquecer da Natureza vital.
As gotas de orvalho nocturno saciam a sede
das plantas, a viver…
Uma fenda, nas rochas da montanha, promete segredos…

Revejo-me no obscuro da fértil imaginação.
Sou transportada a um mundo
onde vivo a sensação do aperto
de uns braços possantes
que despertam os sentidos
confundindo-os, numa onda de paixão…
Parece-me sentir tremer o vulcão,
do outro lado da colina,
expelindo magma pela ravina…
Mas é doidice…puro sonho que o ambiente suscita,
mortinho por ver-me louca…

Escondo-me da águia, eterna voadora,
senhora dos segredos de todos os arvoredos.
Cavalgo em suas asas, direita a teu coração.
Pelo caminho, confusa, paro na gare da infância
que me leva à juventude…
Ambas dormem, nos sonhos que se foram perdendo
nos sonos dormidos,
quando acordava para a vida…

Do afer-shave que usavas,
ficou-me o desejo de viver momentos de prazer
abraçada a teus traços viris,
quando me apertavas…assim…

Recordo a doçura da face molhada de jasmim dos bosques…
…a clareira de loucuras expostas
à cumplicidade do sol tardio…
…os laivos de prazer que ‘inda não sabíamos viver…
Ficou no ar o cheiro do vinho da loucura
que ‘inda perdura…
Não há quartos a recordar…mas há
paixão por viver!
Há o teu perfume…o teu lume…
na recordação do homem que enlouquece e consome!

Nada voltou ao igual a ti!
Tu saíste…eu parti…

Ao ver-te, hoje, no tempo, lamento…
Ficou por te dar o segredo da malvasia do monte…
…o meu ventre terra-mãe…
…o cheiro peculiar que tenho ao amar…
Ficou por sentir como vive o Mundo
nas horas de me perder, ao dar-me…

Monto na estrela da noite,
num cavalo de sonho.
Corro para sul e para norte
na procura do teu cheiro a after-shave, sempre forte…

Fora isso…nada há que me conforte!

C11L-ABL-118-(ERTS)/011

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

FALTA DE IMAGENS ILUSTRATIVAS DOS ARTIGOS

MEUS AMIGOS:

POR QUALQUER NOVO PROBLEMA, QUE DESCONHEÇO, O MEU BLOG NÃO ME ESTÁ A PERMITIR EDITAR AS FOTOS COM QUE, HABITUALMENTE, ILUSTRO OS MEUS ARTIGOS.

PEÇO-VOS DESCULPAS POR ESSE FACTO A QUE SOU ALHEIA. NÃO VALE A PENA CHAMAR NENHUM TÉCNICO, PORQUE JÁ SEI COM AGEM...TAL COMO QUANDO O BLOG ME IMPEDIA DE COMENTAR OS BLOGS DOS MEUS SEGUIDORES...

ESPERO QUE O PROBLEMA SE RESOLVA, POR SI, RAPIDAMENTE.
UM BEIJO AMIGO DA
MARIA ELISA RIBEIRO

domingo, 4 de novembro de 2012

A LUTA DOS ÍNDIOS GUARANI KAIOVÁ


A LUTA DOS GUARANIS KAIOWÁS



Há séculos que esta e outras tribus de índios da região amazónica lutam pela manutenção das suas terras e culturas, face à ganância e prepotência do homem branco.
Tenho acompanhado, quer pelos jornais, quer pelo FACEBOOK e por outras redes sociais a luta de uma pequena comunidade de índios GUARANI-KAIOVÁS pela posse do território em que vivem, onde viveram e morreram seus antepassados e onde eles querem ter o legítimo direito de viverem e morrerem.

Tentam, há tempos, ser recebidos pela Presidente DILMA ROUSSEF e pelo chefe do SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. Estão, agora, em Brasília, com esse intuito. Corre o rumor de que se querem suicidar, em massa, para chamar a atenção dos brasileiros e de todo o mundo para todos os dramas inerentes à ocupação das suas terras.
Se os portugueses bem se lembram, começou com a conquista do Brasil o problema de tantas tribus que encontrámos e , aos poucos fomos desalojando , para que o imenso e rico território fosse dando provas de que tinha valido a pena o esforço das naus de Pedro Álvares Cabral.
Mais de um século depois da descoberta, pregava Pe Vieira a favor dos índios e contra os colonos portugueses que os exploravam e escravizavam, com a desculpa de os cristianizarem.
Hoje, no jornal “Público” vem, na página 20, um artigo sobre a justa luta dos Guaranis.
Afirmam que não se querem suicidar; mas tão-somente que os pistoleiros dos ricos fazendeiros das redondezas deixem de os matar e cercar para lhes roubarem as terras. Muitos dos líderes dos seus movimentos, foram e continuam a ser assassinados.
Para além dos fazendeiros, há as ameaças constantes dos madeireiros, que estão a devastar a AMAZÓNIA em nome da extracção de madeiras ricas e únicas, facto que vai dando cabo do maior e mais significativo “pulmão da Terra”. Devastação da Natureza, doenças de todos os géneros  que se não viam entre os índios, diminuição do espaço para as suas culturas, abusos sexuais sobre as mulheres índias, transmissão de doenças venéreas, suicídios, álcool, homicídios…um nunca mais acabar de males que nos afectam a todos, seres ditos humanos…
Esperemos que a  fundação Nacional do Índio (FUNAI) consiga a paz que é negada a estas gentes, pela corrupção das mentalidades que imperam contra os pobres. A morte de um povo ou de uma espécie é também a morte de uma parte do Universo!


Maria Elisa Ribeiro- 27 de Outubro de 2012

SALVAR A AMAZÓNIA E AS TRIBOS ÍNDIAS-PARTEII


SALVAR A AMAZÓNIA E AS TRIBOS ÍNDIAS (IIª parte e conclusão)


Várias organizações não governamentais, que conseguiram estabelecer contactos com o mundo índio, nomeadamente religiosos, lá vão fazendo o que podem. Rodeados de árvores que se entrelaçam umas às outras, num abraço feroz pela sobrevivência, debaixo dum calor infernal, lá se vão vendo padres italianos, principalmente, a conquistar a confiança dos indígenas mais renitentes, no contacto com o homem branco.
É claro, no meio de tudo isto, que nem todos os indígenas serão santos… Os brancos, cinzentos, negros e amarelos, também o não são!
No que diz respeito aos MURA, já se conseguiu, ao longo das últimas dezenas de anos, formar professores e técnicos para ajudarem o seu povo e as ONG (Organizações Não Governamentais) na difícil tarefa de reintegração nas aldeias mais povoadas, com usos e hábitos distintos dos seus.

Famosa nesse trabalho é a UFAM (Universidade Federal do Amazonas) que, há muito vem dando educação e cuidados médicos, noções básicas de higiene e saúde, alimentos mais diversificados, e técnicos para ajudarem os índios a aprenderem o cultivo e o uso, de muitos e variados produtos. Ao longo do tempo tem a UFAM dado conta do desaparecimento de aldeias de índios, de desvio de águas, da usurpação de terras e adverte, ainda, que vários pequenos cursos de água estão em perigo de desaparecer, se não forem tomadas medidas pelo governo federal.

Que espera o MUNDO?
Conhecendo como conheço as prepotência , estupidez, cobiça e ignorância do HOMEM, não devemos, infelizmente, esperar mudanças positivas, a não ser que todos os países banhados pelas bacias do AMAZONAS se unam para fazer vencer a RAZÃO, na luta pela continuação da existência do “SER- HOMEM”, no PLANETA.
Não resisto a recorrer, neste momento do meu post, a deixar-vos aqui, alguns extractos de um documento que se encontra nos Livros de Português do Ensino Secundário, incluído naquilo a que os nossos ensaístas e historiadores da Língua chamam “LITERATURA DE VIAGENS”. Esse documento chama-se “CARTA do ACHAMENTO do BRASIL”; foi escrito por um navegador, PÊRO VAZ DE CAMINHA e está endereçado ao nosso REI D. MANUEL I, no ano de 1501. O que vou transcrever, já o faço traduzido para o Português actual.
a)      “…e assim os outros capitães escrevam a Vossa Alteza a nova do achamento desta vossa terra nova…”
b)      “…e à quarta-feira seguinte (…) topámos pássaros e aves… (…) houvemos vista de terra (…) um grande monte (…) serras mais baixas com grandes arvoredos ao qual monte o capitão pôs o nome MONTE PASCOAL e à terra, a TERRA de VERA CRUZ (…)
c)       “…viu mancebos de bons corpos (…) nos receberam com prazer e festa. (…) A feição deles é serem pardos, avermelhados, bons rostos e bons narizes, bem-feitos (…) andam nus e nem têm pejo ao mostrar suas vergonhas (…)
d)      “ (…) parece-me gente de tal inocência(…) que seriam logo cristãos, pois não têm nenhuma crença (…) esta gente é boa e de boa simplicidade(…) “
Na realidade, chegados a terra de gente que não praticava o mal, por ganância, tiveram estes bons rapazes ocasião de assistir, nos séculos seguintes, às perseguições e morte dos seus conterrâneos por parte de colonos portugueses, holandeses, espanhóis e outros que nem vale a pena citar! Estes indivíduos pagaram a bondade natural “dos bons rapazes” com a traição, a escravatura, o proveito…
Voltando aos MURA, diz a “PÚBLICA”, que falam hoje várias línguas, incluindo o português, motivo pelo qual o “chefe” perguntou ao jornalista da revista, se ele ia falar deles, em PORTUGAL, e contar o que ainda sofrem e do que necessitam, que é , essencialmente, a demarcação de territórios seus.
É estranho como as pessoas vêem as coisas de maneira diferente… Um amigo blogger dizia-me que, ainda neste Domingo se reuniram os índios, em BRASILIA, para rei vindicar terras. Dizia-me uma amiga blogger que os índios têm financiatas com as multi- nacionais e que tiram proveito destas situações…
Os tempos mudaram; todos queremos a nossa terra, porque é inerente à condição humana o sentir as suas raízes, debaixo dos pés… Lembremo-nos de ISRAEL e dos povos ÁRABES da FAIXA de GAZA…
Se os índios ambicionam mais do que o que têm, é porque se habituaram aos luxos dos brancos, como acontece em todo o lado… em ÁFRICA… onde se pode encontrar a rádio e a televisão, no meio da selva, coberta de folhas de bananeira pois os negros da mata não têm casa!
Só uma pergunta final, em jeito coloquial, com LULA da SILVA: por onde anda você, PRESIDENTE?
ATÉ SEMPRE!

Maria Elisa Ribeiro

sábado, 3 de novembro de 2012

POEMA:SILÊNCIO




SILÊNCIO…

A Lua, senhora da claridade, entra pela janela, radiante
e  embrulha-me na sua alegria luminosa,
prateada, gloriosa, magnética e crepuscular!
Desmesuradamente radiosa, avança na proeminência dos tempos
e expande-se  aos sinais interiores das origens…”as outras”…as anteriores…
Circula pelos recantos escuros das memórias
e acende lagos onde não nadam cisnes, nem vogam  faluas.
Descobre-me, então, claramente!
( eu sofro, inevitavelmente!)
Em silêncio, oiço um som diferente…o do encontro de mim
comigo própria!

.o silêncio é uma arma e ,como todas as armas, magoa.

Frágil existência
(incompreensão do meu quotidiano!)
força-me a procurar latitudes espirituais…
E a Procura deixa-me angustiada e ferida
ao  reconhecer que sou, EU-PRÓPRIA-o meu ponto de Partida e de Chegada!

Descubro-me microcosmos
vivendo e pensando a transitoriedade.
Sou, apenas, uma oportunidade do cosmos…
…coisa momentânea do firmamento…
A lua é eterna! Os anjos estão  enfurecidos…
O céu está alto demais-----------------------------------------para mim-----------
e não pode responder às minhas humanas questões…questões sem fim!

O céu é uma planície azulada onde o Silêncio reina
cortado pelo tom radioso das estrelas,
centro do Centro do calor divino,
reflectido nas frescas ramagens das árvores,
nas águas dos rios prateados ao  anoitecer,
na imensidão telúrica dos campos floridos!

O Céu é o silêncio do Mistério Humano!

No dentro de mim, perturba-me o silêncio de um deus
que dizem não ter princípio, nem fim…
É então que o céu parece um deserto de escuridão
perdido entre a lua e as estrelas!
.dúvidas da Existência atemorizam
não permitindo captar rumores das minhas Idades.
Tudo parece conjugar-se para um momento de êxtase,
quando se acendem lâmpadas astrais!

Estás perto, senhor do universo,
mas só consigo falar-te através deste verso…
Falo-Te com o Silêncio que És! Tu ouves…eu sei que ouves…
E digo-Te que todo o meu silêncio está sossegado, dentro de mim!
Todo o meu mundo está nesse silêncio!

Estou na soleira do céu e vingo-me escrevendo,
pois que me sinto pequena no meio de tudo
e humana entre as máscaras-que-duram-no –rosto/pedra!
Todos os cenários do Silêncio já FUI, neste EU sozinho,
farto de tudo o que nunca teve!

O calendário move-se sem a ajuda de um rumor…
e eu transmigro, emocionalmente,
num veio que em mim se difunde…

ROSA…- desabitada-de-espasmos-nocturnos-nas-punhadas-de –pétalas-caídas…
VULCÃO…-denegrido-no-passar-lento-do-musgo-cinzento-espalhado-nas-colinas….

Teu silêncio é o muro do Mundo, Senhor!
É orquestra calada no respirar das pautas!
MAS…chega BACH!
Faz-se silêncio
e  a VIDA estremece!


MARIA ELISA RIBEIRO
R-C11L-123-OTB/011 (MST)


quinta-feira, 1 de novembro de 2012

POMA DA SÉRIE: " GOTAS..."


DA SÉRIE”GOTAS”…


.eu
paradoxo-de-mim
não contenho a dor
de delirar-o-sofrimento.

.vou por pontos
de interrogação
até ao temido
acto de contrição.

.persisto na luta…

.submeto-me
à pertinência do lexema---------------------------!
-------------------------------crio poema-carne-viva
-------------------------------da humana inquietação!

.eu,
paradoxo-de-mim
confesso a imperfeição
de barro húmido
que não molda
a arte que de mim zomba…


Marilisa Ribeiro-Fev/012

sábado, 27 de outubro de 2012

SALVAR OS ÍNDIOS GENUÍNOS DA AMAZÓNIA




SALVAR A AMAZÓNIA E AS COMUNIDADES ÍNDIAS (artigo em duas partes: parte 1)

Que os índios da floresta amazónica estão ameaçados pela ganância de tantos homens, que muitos e muitos milhares têm morrido em consequência da cobiça do “Homem- Branco” que não olha a meios para conseguir os fins, que a magnífica floresta está em perigo e com ela todos os seus naturais habitantes, indígenas, fauna e flora, pelos fogos ateados por colonos e madeireiros, para conseguirem mais terras de cultivo ou para roubarem as madeiras e se irem apossando de solos carregados de minérios nobres, que os fogos não param naquele emaranhado de árvores onde vivem seres místicos, misteriosos, protegidos pelos novos sacerdotes Druidas, que são OS ÍNDIOS, de NORTE A SUL, DE ESTE A OESTE, que a floresta mais bela e rica do Mundo é considerada “O PULMÃO DA TERRA”, que muitas tribos indígenas têm sido dizimadas por doenças adquiridas em contacto com “o bicho branco”… TUDO ISSO SE SABE, DE SOBEJO, pois os meios de comunicação nada nos escondem!

Assim como se sabe também dos “bordéis” espalhados pelos segredos da selva, instalados por verdadeiros animais sem alma, valores ou ética, que raptam, drogam e exploram raparigas índias, para se prostituírem, como escravas sexuais, recebendo em troca a devassidão, a droga e o álcool, vícios que as levam à total degradação.

Assim como também se sabe que já o PADRE VIEIRA, jesuíta diplomata e pregador, que calcorreou as terras amazónicas, no século XVII, lutou, com todas as forças contra a ganância dos colonos, portugueses e não só, que escravizavam os pobres seres da floresta para uso próprio e para a apanha do café e do cacau, atitude que lhe valeu a ira da INQUISIÇÃO, que não queria perder a sua quota-parte da EXPLORAÇÃO e que também considerava animais sem alma, os pobres índios do Brasil…
Aqui há 3-4 anos foi-nos dado ver, na TV, um lindo documentário sobre os Índios XINGU, as suas lendas, tradições, a cultura em geral, que tem passado de geração em geração, a vida do dia a dia… Enriquecedor!
Hoje, na ODISSEIA, VI outro sobre os GUARANI, que, dizia um deles, desaparecerão dentro de 10 anos, caso não se faça a delimitação de terras, entre índios e colonos.
À beira da extinção encontram-se também os conhecidos YANOMÂNI; mas não são únicos, pois segundo vi na Internet, há dezenas de tribos nesta situação. Interessante, por outro lado, é o facto de, uma vez por outra, se saber que foram encontradas novas tribos, que têm conseguido viver quase em estado selvagem, digamos assim, facto que acho ser a sua salvação, neste mundo- cão de cobiça, exploração, interesses madeireiros e petrolíferos e todos os que se relacionam com riquezas impensáveis!

Ontem, dia 11, ao abrir a revista “Pública” do jornal “PÚBLICO”, li um artigo interessante e maravilhoso sobre outra tribo à beira do perigo de extinção, os MURA, que se julgava terem sido dizimados pelos colonos portugueses; guerreiros temidos, que conseguiram sobreviver por se terem misturado no meio de outras etnias! Coisa linda! Perdoem, mas sem conhecer a AMAZÓNIA, sinto-me guerreira das suas causas! Esta gente que os portugueses, de então, consideravam das mais perigosas tribos amazónicas, incapazes de aceitar ideias de modernização e de civilização (a deles…), adaptou-se no meio “da escuridão”, vivendo do peixe que tiravam do rio, da caça e de algumas culturas como a da mandioca, que era a base da sua dieta alimentar; hoje, a multiplicarem-se como mandam as leis de DEUS, já se tornou necessário criar organismos para os apoiar no campo da saúde, educação, instrução, noções básicas de higiene e outras que, -hoje sim! se vão tornando prementes.

FIM DA 1ª parte deste artigo. (CONT.)

terça-feira, 23 de outubro de 2012

LITERATURA PORTUGUESA-FLORBELA ESPANCA


UM POUCO DE TUDO…
______________________________________________________________________
Hoje: FLORBELA ESPANCA

Nasceu Florbela Espanca em Vila Viçosa, em 1894.
O poeta José Régio, referindo-se à grande poetisa, afirma: ”…Florbela viveu a fundo estados, quer de exaltação a si mesma quer de dispersão em tudo; na sua poesia, estes atingem vibrante expressão.”
( In “Aula Viva”-12º ano-Português B- Porto Editora, J.A da Fonseca Guerra e José A. da S.Vieira, pág.422 (1999)
Deixem-me ser imodesta…Não me é muito difícil escrever algumas palavras sobre esta grande, estranha, um pouco”misteriosa” poetisa, da Língua Portuguesa. Não é, portanto, vaidade que me faz falar assim. É amor pela sua obra, que adoro ao encontrá-la cheia, quer de vida quer de morte, tanto no aspecto linear, literal, como no aspecto subjectivo.
Ser humano, ao mesmo tempo emocional e deífico, Florbela não pode ser tratada, como merece, num artigo resumido como este… Farei os possíveis por vos dar algumas ideias, as necessárias para despertar em vós, leitores, a curiosidade indispensável para a lerem…
Era poeta seu pai também, pelo que, desde cedo encarreirou a vida dos filhos, Florbela e Apeles, no sentido do amor pelas artes Alma sensível, Florbela desde cedo lhe seguiu as pisadas, embora “quase” sem querer… Mulher de temperamento triste e angustiado, acabou por cair numa espécie de narcisismo próprio dos românticos, ao considerar que ninguém era tão infeliz nem tão incompreendido como ela. Não foi feliz no amor; por conseguinte, nem menos o foi no casamento; não teve filhos, mas consagrou a sua capacidade maternal de amar, -de corpo e alma! -ao irmão Apeles, no qual via o filho que não teve. No nosso meio pequeno-burguês houve quem quisesse atribuir a este amor pelo irmão outras feias conotações. Li muito a este respeito, até porque adoro a sua obra. NÃO ENCONTREI NADA DE MENOS PRÓPRIO, NO AMOR DE UMA IRMÃ PELO SEU IRMÃO.
A grande verdade está em que Florbela nunca se sujeitou a ninguém…foi um espírito livre e angustiado, que fracassou em três casamentos. Mulher demasiado moderna para os tempos em que viveu, o seu sentido de visão da vida com liberdade, não era bem aceite pelas mentalidades tacanhas e farisaicas dos princípios do séc.XX: ela sobressaía da mediocridade “empalada” entre as paredes da vitoriana Évora… Espírito livre, fumava, vestia calças, tinha carta de condução…Horror dos horrores, no meio do farisaísmo próprio daquela época! Os leitores sabem, como eu, que ainda hoje, em certos locais do nosso país, as pessoas diferentes são olhadas, também, de modo diferente…
A morte do irmão fê-la entrar em depressão e” precipitou” a sua dor de viver e ela que nasceu no dia de Nossa Senhora da Conceição e que ensinou no Colégio de Évora com o mesmo nome, veio a falecer no mesmo dia, com 36 anos de idade! Não sendo vasta, a sua obra é sentida e significativa. Cantou o Amor: amor pela vida, pela Natureza, pelas
coisas simples da vida…Ao Amor liga-se a ideia da dor dos desejos nunca alcançados e, aí está a mistura explosiva da obra da poetisa:”Eu quero amar, amar perdidamente! / Amar só por amar: aqui…além…/Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente…/Amar! Amar! E não amar ninguém!”
Discípula de Antero de Quental, na medida em que, pelo estilo,”atirava ao vento” o drama íntimo da falta de Amor, diz ela sem ligar às convenções morais burguesas, tantas vezes falsas, vitorianas e hipócritas: “O amor de um homem? Terra tão pisada, / Gota de chuva ao vento baloiçada…Um homem? - Quando eu sonho o amor dum Deus!” (pág.423, do livro já citado). E, para além deste tipo de Amor, outro dominava a vida de F.E: perdia-se, ela, pelo Alentejo, região “entidade mítica” a sofrer o desprezo dos deuses da chuva, que dela se esqueciam, no momento da sua distribuição equitativa. Vai daí: “Horas mortas…Curvada aos pés do Monte/A planície é um brasido…e, torturadas, / As árvores…gritam a Deus a bênção duma fonte! /…Árvores! Não choreis! Olhai e vede: -Também ando a gritar, morta de sede, / Pedindo a Deus a minha gota de água!”
Mas, para dizer tudo isto, a poetisa sabe que são precisas Palavras…Não há poeta que o não saiba…Palavras que falem, sentidas, cheias de “mistério” na mensagem que o leitor deve descodificar! Não é poeta quem quer…E então, diz Florbela: “Ser poeta é ser mais alto…é ser maior…/É ser mendigo e dar…É ter fome e sede de Infinito!”
Não há na obra de F.E. muitas palavras de optimismo e /ou alegria de viver; ficamos sempre com a sensação de que, narcisicamente, ela se “decide” a não ser feliz…Encontramos, nessa obra, um lote significativo de palavras de conotação triste, como:”ciprestes”, “poentes de agonia”,”brasido”, “mar de mágoa”, “só”, “ crepúsculo”, “noite”…Pode dizer-se que ela procurou a felicidade no desespero insaciável da vivência e que isso a conduziu ao pessimismo do existencialismo absurdo, de depois da IIª Grande Guerra.
Não é seguro afirmar que ela se suicidou, segundo vários estudiosos. Isso é um mistério entre ela e Deus, que tanto procurou: ”Meu Deus, dai-me esta calma, esta pobreza…/Queria encontrar Deus! Tanto O procuro!”
Chegamos a esta conclusão: em Florbela Espanca, quando acaba o sonho da vivência que não teve, começa a dor do que tem…E tem solidão, amargura, angústia! NARCISISMO? Ah! Mas com certeza!

Maria Elisa Rodrigues Ribeiro-(REP.)

 

sábado, 20 de outubro de 2012


Muitos dos visitantes do meu Blog LUSIBERO, pelo que posso ver através do contador NEOCOUNTER, são amigos que vivem no estrangeiro e muitos, com toda a certeza são emigrantes portugueses.

Lembrei-me ,hoje, de vos falar um pouco destes dois concelhos do centro de PORTUGAL:no de ANADIA nasci, nas TERMAS da CURIA. A vida de estudo e de trabalho afastou-me um pouco, mas como ainda lá tenho as tias e primos, vou lá muitas vezes, até porque vivo no concelho limítrofe de MEALHADA, onde fui colocada no liceu, como Profª de Português,e onde fiquei até me aposentar , com 37 anos de trabalho.
São dois concelhos do Distrito de Aveiro e com características comuns, na sua vivência: ambos são turísticos, ambos são termais , ambos têm riquezas gastronómicas comuns, como o célebre LEITÃO DA BAIRRADA e a "CHANFANA". No concelho de ANADIA, no lugar da CURIA temos as TERMAS da CURIA e no de MEALHADA, estão as conceituadas TERMAS DO LUSO. Creio que há poucas diferenças , quanto às mazelas orgânicas para que são benéficas as águas; no entanto, a Câmara da MEALHADA tem sido mais pródiga no reconhecimento do valor do Luso e tem cuidado mais as riquezas naturais desta região. Inserida na região do LUSO, está a conhecida SERRA do BUÇACO(ou o contrário, como quiserem...) onde se encontram belezas e riquezas como o GRANDE HOTEL DO BUÇACO, património nacional, e a MATA, célebre pelas espécies raras de plantas e flores. Ambos os concelhos são também rurais e é célebre o nosso vinho da Bairrada, conhecido e vendido em todo o mundo.
A CURIA mereceu, desde o ano passado, honras de aperfeiçoamento das vias, por parte da CÂMARA DE ANADIA.

O PARQUE, no entanto, no qual se situa um lago que já foi o maior LAGO NATURAL DA PENÍNSULA, está tremendamente abandonado e mal tratado, com o lago assoreado por lamas , que já quase não deixam passar "AS GAIVOTAS".

Vou continuar a falar da nossa região bairradina, em próximos artigos, para não vos cansar.

Publico, igualmente, algumas imagens desta nossa terra, para vos ajudar a matar as SAUDADES.


Maria Elisa Ribeiro
Mealhada, 20 de Outubro de 2012

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

POETAS PORTUGUESES-DAVID MOURÃO-FERREIRA


David Mourão-Ferreira nasceu em 1927 e faleceu em 1996.

É detentor de uma das escritas mais belas da Literatura Portuguesa do século passado , que continua a deliciar o nosso espírito, hoje ainda.

Gosto, essencialmente da POESIA! Poucos autores modernos usaram a PALAVRA com a alma , como Mourão-Ferreira o fez. Poemas sobre temáticas que enchem a vida e a obra de todos os poetas, ele viu-os de modo humanista, com um vocabulário elevado e simples de arrepiar.

Escritor, poeta, jornalista, apresentador de programas de televisão, colaborador da "SEARA NOVA" e do "DIÁRIO POPULAR", foi, em 1973, Secretário Geral da Sociedade Portuguesa de Autores.

Depois do 25 de Abril , de 1974, dirigiu o jornal "A CAPITAL" e exerceu o cargo de Secretário de Estado da Cultura, com breves interregnos, de 1976 a 1979.

Foi ele o criador da Companhia Nacional de Bailado.

Tantas e tão ricas e variadas actuações no campo cultural português originaram que recebesse vários grandes prémios, com que se procurava prestar-lhe tributo: foi condecorado com o Grau de Oficial de Santiago de Espada; pouco antes de falecer, recebeu o Prémio de Carreira  da SPA e foi agraciado com a GRÃ CRUZ da Ordem de Santiago de Espada.

A sua poesia de índole mais sensual é das coisas mais delicadas que podemos ler sobre o amor físico, pelo respeito e admiração que nutria pela MULHER.

Fui à NET procurar estas datas todas e o poema que vos deixo.Deliciem-se, procurando mais poemas do grande Homem de Letras.



Crespúsculo

É quando um espelho, no quarto, 
se enfastia; 
Quando a noite se destaca 
da cortina; 
Quando a carne tem o travo 
da saliva, 
e a saliva sabe a carne 
dissolvida; 
Quando a força de vontade 
ressuscita; 
Quando o pé sobre o sapato 
se equilibra... 
E quando às sete da tarde 
morre o dia 
- que dentro de nossas almas 
se ilumina, 
com luz lívida, a palavra 
despedida.