quarta-feira, 31 de maio de 2017

Boa noite, amigos de lusibero!



PORTUGAL-Barca d'Alba

De Flaubert...

De Flaubert (1821-1880), in O Citador

"Onde Será a Terra Prometida?
Triste época a nossa! Para que oceano correrá esta torrente de iniquidades? Para onde vamos nós, numa noite tão profunda? Os que querem tactear este mundo doente retiram-se depressa, aterrorizados com a corrupção que se agita nas suas entranhas.
Quando Roma se sentiu agonizar, tinha pelo menos uma esperança, entrevia por detrás da mortalha a Cruz radiosa, brilhando sobre a eternidade. Essa religião durou dois mil anos, mas agora começa a esgotar-se, já não basta, troçam dela; e as suas igrejas caem em ruínas, os seus cemitérios transbordam de mortos.
E nós, que religião teremos nós? Sermos tão velhos como somos, e caminharmos ainda no deserto, como os Hebreus que fugiam do Egipto.
Onde será a Terra prometida?
Tentámos tudo e renegámos tudo, sem esperança; e depois uma estranha ambição invadiu-nos a alma e a humanidade, há uma inquietação imensa que nos rói, há um vazio na nossa multidão; sentimos à nossa volta um frio de sepulcro.
A humanidade começou a mexer em máquinas, e ao ver o ouro que nelas brilhava, exclamou: «É Deus!» E come esse Deus. Há - e é porque tudo acabou, adeus! adeus! - vinho antes da morte! Cada um se precipita para onde o seu instinto o impele, o mundo formiga como os insectos sobre um cadáver, os poetas passam sem terem tempo para esculpir os seus pensamentos, mal os lançam nas folhas, as folhas voam; tudo brilha e ecoa nesta mascarada, sob as suas realezas de um dia e os seus ceptros de cartão; o ouro rola, o vinho jorra, a devastidão fria ergue o vestido e bamboleia-se... horror! horror!
E depois, há sobre tudo isso um véu de que cada um tira a sua parte, para se esconder o mais possível.
Escárnio! horror! horror!

Gustave Flaubert, in 'Memória de um Louco'-foto google

De Raduan Nassar...

DE Raduan Nassar, "Prémio Camões"2016

"Alguém baixou com suavidade minhas pálpebras,
me levando, desprevenido, a consentir num sono
ligeiro, eu que não sabia que o amor requer vigília."

Raduan Nassar

Boa tarde, amigos de Lusibero!

terça-feira, 30 de maio de 2017

Boa noite, amigos de Lusibero!

The New York Times
9 h ·

Even more worrisome is that these missiles actually seem to be functional, unlike older missiles that kept exploding or falling prematurely into the sea in past tests.

North Korean Tests Add Urgency for U.S. to Fix Defense Flaws
The North has recently test-fired missiles based on a technology that would give the United States little warning of an attack. And they seem to work.


"A Danger to the World !

It's Time to Get Rid of Donald #Trump !

Donald Trump has transformed the United States into a laughing stock and he is a danger to the world. He must be removed from the White House before things get even worse.
Donald Trump is not fit to be president of the United States. He does not possess the requisite intellect and does not understand the significance of the office he holds nor the tasks associated with it. He doesn't read. He doesn't bother to peruse important files and intelligence reports and knows little about the issues that he has identified as his priorities. His decisions are capricious and they are delivered in the form of tyrannical decrees.

He is a man free of morals. As has been demonstrated hundreds of times, he is a liar, a racist and a cheat. I feel ashamed to use these words, as sharp and loud as they are. But if they apply to anyone, they apply to Trump. And one of the media's tasks is to continue telling things as they are: Trump has to be removed from the White House. Quickly. He is a danger to the world.

Trump is a miserable politician. He fired the FBI director simply because he could. James Comey had gotten under his skin with his investigation into Trump's confidants. Comey had also refused to swear loyalty and fealty to Trump and to abandon the investigation. He had to go.

Witnessing an American Tragedy

Trump is also a miserable boss. His people invent excuses for him and lie on his behalf because they have to, but then Trump wakes up and posts tweets that contradict what they have said. He doesn't care that his spokesman, his secretary of state and his national security adviser had just denied that the president had handed Russia (of all countries) sensitive intelligence gleaned from Israel (of all countries). Trump tweeted: Yes, yes, I did, because I can. I'm president after all.

Nothing is as it should be in this White House. Everyone working there has been compromised multiple times and now they all despise each other - and everyone except for Trump despises Trump. Because of all that, after just 120 days of the Trump administration, we are witness to an American tragedy for which there are five theoretical solutions.

The first is Trump's resignation, which won't happen. The second is that Republicans in the House and Senate support impeachment, which would be justified by the president's proven obstruction of justice, but won't happen because of the Republicans' thirst for power, which they won't willingly give up. The third possible solution is the invocation of the 25th Amendment, which would require the cabinet to declare Trump unfit to discharge the powers of the presidency. That isn't particularly likely either. Fourth: The Democrats get ready to fight and win back majorities in the House and Senate in midterm elections, which are 18 months away, before they then pursue option two, impeachment. Fifth: the international community wakes up and finds a way to circumvent the White House and free itself of its dependence on the U.S. Unlike the preceding four options, the fifth doesn't directly solve the Trump problem, but it is nevertheless necessary - and possible.

No Goals and No Strategy

Not quite two weeks ago, a number of experts and politicians focused on foreign policy met in Washington at the invitation of the Munich Security Conference. It wasn't difficult to sense the atmosphere of chaos and agony that has descended upon the city.

The article you are reading originally appeared in German in issue 21/2017 (May 20, 2017) of DER SPIEGEL.

The U.S. elected a laughing stock to the presidency and has now made itself dependent on a joke of a man. The country is, as David Brooks wrote recently in the New York Times, dependent on a child. The Trump administration has no foreign policy because Trump has consistently promised American withdrawal while invoking America's strength. He has promised both no wars and more wars. He makes decisions according to his mood, with no strategic coherence or tactical logic. Moscow and Beijing are laughing at America. Elsewhere, people are worried.

In the Pacific, warships - American and Chinese - circle each other in close proximity. The conflict with North Korea is escalating. Who can be certain that Donald Trump won't risk nuclear war simply to save his own skin? Efforts to stop climate change are in trouble and many expect the U.S. to withdraw from the Paris Agreement because Trump is wary of legally binding measures. Crises, including those in Syria and Libya, are escalating, but no longer being discussed. And who should they be discussed with? Phone calls and emails to the U.S. State Department go unanswered. Nothing is regulated, nothing is stable and the trans-Atlantic relationship hardly exists anymore. German Foreign Minister Sigmar Gabriel and Bundestag Foreign Affairs Committee Chair Norbert Röttgen fly back and forth, but Germany and the U.S. no longer understand each other. Hardly any real communication takes place, there are no joint foreign policy goals and there is no strategy.

In "Game of Thrones," the Mad King was murdered (and the child that later took his place was no better). In real life, an immature boy sits on the throne of the most important country in the world. He could, at any time, issue a catastrophic order that would immediately be carried out. That is why the parents cannot afford to take their eyes off him even for a second. They cannot succumb to exhaustion because he is so taxing. They ultimately have to send him to his room - and return power to the grownups."

#TrumpADanger_to_the World

A Danger to the World: It's Time to Get Rid of Donald Trump - SPIEGEL ONLINE - International
Donald Trump has transformed the United States into a laughing stock and he is a danger to the world. He must be removed from the White House before things get…

I hope everybody to leave Trump's company!!!!!!!!

The New York Times
1 h ·

Mike Dubke said the reasons for his departure are "personal."

White House Communications Director Resigns as Shake-Up Begins
The White House communications director, Mike Dubke, stepped down on Tuesday, and President Trump took to Twitter to attack the Russia investigation and Germany.

O The Guardian visitou a costa portuguesa entre Lisboa e Porto e não poupa elogios. Praias inigualáveis, cidades e aldeias históricas e pessoas amáveis, são alguns dos destaques que o jornal faz.


The Guardian destaca Costa de Prata nas sugestões de viagem
O The Guardian visitou a costa portuguesa entre Lisboa e Porto e não poupa elogios. Praias inigualáveis, cidades e aldeias históricas e pessoas am

Rui Carreteiro
14/5 às 12:32 ·

"o Português é muito possivelmente a língua mais adorável para cantar uma canção doce e boa" no The Guardian. Que belo momento para a Lusofonia!

Eurovision 2017 review: gorilla suits, Gypsy hip-hop – and a half-decent winner
Lucie Jones helps the UK dodge a Brexit backlash as Portugal takes its first win in decades

The Guardian
20 min ·

Theresa May sought to relaunch her general election campaign on Tuesday with her strongest personal attack on Jeremy Corbyn.

Corbyn would go 'alone and naked' into Brexit talks, says Theresa May
Prime minister mounts strongest personal attack yet on Labour leader, saying he is ‘not prepared’ for Brexit negotiations

Poema REGº



Esta urgência de Luz…
Este cruzar atalhos por vielas em busca do Caminho…
Este ser-eu-e-não-ser, pensando sempre que sou…
Enganam-me as vozes do silêncio…
…calam-se (ainda para mais )
e libertam-se através dos meus
poros dilatados de seiva, de suor, de lágrimas empedernidas
que se escondem, para me apanharem desprevenida.
Então, vejo-me Poeta
com metas a cumprir nas palavras em papel,
no voo das aves pelas luzes do céu diurno,
com as mãos no coração das pétalas que se afastam dos desertos…

Mares falsamente calmos do tempo clorofilino das resmas
de árvores das montanhas,
que transpiram poesia verde onde o Caminho É…
Não mando no poema, que me foge pelo mundo.
Mundo-centro-arterial onde vivem palavras
nas copas púbicas dos Elementos desenraizados…

Há Fronteiras nos muros de silêncio do Caminho
e eu parto sem perceber
que, quase já sabia do que afirmo
não saber!
Ó deuses dos acasos, das dores, das rodas do Tempo!
“O poeta é um fingidor”…

Maria Elisa Ribeiro

Do nosso Raúl Brandão...

De Raúl Brandão (1867-1930), in O Pensador

"Nenhum de nós sabe o que existe e o que não existe. Vivemos de palavras. Vamos até à cova com palavras. Submetem-nos, subjugam-nos. Pesam toneladas, têm a espessura de montanhas. São as palavras que nos contêm, são as palavras que nos conduzem. Mas há momentos em que cada um redobra de proporções, há momentos em que a vida se me afigura iluminada por outra claridade. Há momentos em que cada um grita: - Eu não vivi! eu não vivi! eu não vivi! - Há momentos em que deparamos com outra figura maior, que nos mete medo. A vida é só isto?"...

Raul Brandão

Boa tarde, amigos de Lusibero!

segunda-feira, 29 de maio de 2017

HISTÓRIA de PORTUGAL: a Batalha das Linhas de Elvas

Batalha das Linhas de Elvas
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Batalha das Linhas de Elvas
Guerra da Restauração

Forte de Santa Luzia
Data 14 de janeiro de 1659
Local Elvas
Desfecho Vitória esmagadora Portuguesa

Reino de Portugal (Bragança) Reino de Espanha (Habsburgo)


D. António Luís de Meneses D. Luís de Haro


8,000 infantaria
2,500 cavalaria
7 canhões 17,500:
14,000 infantaria
3,500 cavalaria
19 canhões
3 morteiros


9 000 homens
4 700 cavalaria

A Batalha das Linhas de Elvas, foi travada em 14 de janeiro de 1659, em Elvas, entre portugueses e espanhóis.
História[editar | editar código-fonte]

Em 1659, o exército espanhol, comandado por D. Luís de Haro, acampava na fronteira do Caia, com 14 000 homens de infantaria, 5 000 de cavalaria,19 canhões (na verdade apenas 18 entraram em batalha, pois um perdeu uma roda no meio do caminho) 3 morteiros(155 mm.) de artilharia. Alguns dias decorreram em preparativos quer no lado espanhol para o cerco de Elvas, quer por parte dos portugueses para defenderem a cidade. D. Luís de Haro distribuiu as suas tropas ao longo de entrincheiramentos cercando a praça, dando ordem para que fosse exercida apertada vigilância a fim de impedir que Elvas recebesse mantimentos ou qualquer outra espécie de auxílio vindo do exterior, de tal modo que só a chegada de um verdadeiro Exército poderia evitar mais cedo ou mais tarde, a capitulação da praça. A rainha D. Luísa resolveu chamar D. António Luís de Meneses, conde de Cantanhede, para lhe entregar o comando geral das tropas portuguesas no Alentejo, e transferir para o mesmo teatro de operações D. Sancho Manuel, que foi assumir as funções de Mestre-de-campo-general. As tropas espanholas instaladas nas duas colinas mais próximas começaram a bombardear a praça de Elvas, causando pânico e grandes baixas na população. Mas o maior perigo era a peste que causava cerca de 300 mortes por dia.

Mediante tal situação, o conde de Cantanhede, D. António Luís de Meneses reuniu em Estremoz um exército a fim de socorrer aquela praça do cerco espanhol. Apesar de grandes dificuldades, que o obrigaram a organizar recrutamentos em Viseu e na ilha da Madeira, e reunir as guarnições de Borba, Juromenha, Campo Maior, Vila Viçosa, Monforte e Arronches, o conde de Cantanhede conseguiu formar um exército de oito mil infantes, dois mil e novecentos cavaleiros guarnecidos por sete canhões. Tendo ficado acordado, entre o conde de Cantanhede e D. Sancho Manuel, que o ataque às linhas de Elvas se faria pelo sítio conhecido por Murtais, o exército português saiu de Estremoz e marchou sobre a praça cercada.

Os brigantinos ocuparam as colinas da Assomada, de onde se avistava a cidade de Elvas e as linhas inimigas, estas num majestoso arraial. No dia 14 de Janeiro, cerca das oito e quinze da manhã, os portugueses desencadearam o ataque como estava previsto pelo sítio dos Murtais. Manteve-se indecisa a vitória durante algum tempo, pois ao ataque respondiam os espanhóis com vigorosa defesa, mas a certa altura as tropas do conde de Cantanhede conseguiram romper irremediavelmente as linhas de trincheiras dos espanhóis, que começaram por ceder terreno e não tardaram a debandar.

As perdas sofridas pelas tropas filipinas nas linhas de Elvas foram enormes. Dos dezanove mil homens comandados por D. Luís de Haro, apenas cerca de cinco mil infantes e trezentos cavaleiros (sem contar com as mortes por infecção ou doença) conseguiram alcançar Badajoz.

Nesta batalha distinguiu-se o conde de Cantanhede, que recebeu, entre outras mercês, o título de marquês de Marialva, por carta de lei de 11 de junho de 1661.


Jornal #ABola desta segunda feira, já chega de Renato, deixem o "cota" em paz!


A BOLA partilhou uma ligação.
37 min ·

ABOLA.PT - Ederson esperado hoje em Manchester


A equipa Portuguesa está de parabéns. Vice Campeã do Mundo entre as 46 maiores potências de Surf do Mundo, é uma obra inimaginalmente grandiosa. Pedro...


Poema de Cummings (1894-1962), in O Citador

Quando o Meu Amor Vem Ter Comigo
quando o meu amor vem ter comigo é
um pouco como música,um
pouco mais como uma cor curvando-se(por exemplo
contra o silêncio,ou a escuridão....

a vinda do meu amor emite
um maravilhoso odor no meu pensamento,

devias ver quando a encontro
como a minha menor pulsação se torna menos.
E então toda a beleza dela é um torno

cujos quietos lábios me assassinam subitamente,

mas do meu cadáver a ferramenta o sorriso dela faz algo
subitamente luminoso e preciso

—e então somos Eu e Ela....

o que é isso que o realejo toca

E. E. Cummings, in "livrodepoemas"
Tradução de Cecília Rego Pinheiro


12 min ·

Treinador comenta época dos minhotos

Peseiro acredita que se continuasse no Sp. Braga a luta com o Sporting era até ao fim
Treinador comenta época dos minhotos

Lobos solitários ?
Se sim, agora é tarde para resolver sem graves clivagens e conflitos étnicos.

Manchester Arena explosion: Latest updates - BBC News
Attack 'absolutely consistent' with other terror atrocities


BBC News
14 min ·

British Airways boss Alex Cruz says he will not resign and that flight disruption had nothing to do with cutting costs.

BA boss 'won't resign' over flight chaos


Poema (REGº)



Ao largo, no Longe ansiado,
__________navegam ainda as barcas da fantasia
________________em quiméricas espumas
_____________________ da ilusória-aura-da-Utopia.

Suspensas dos limiares da eternidade,
________são a distância mística que em nós ficou,
_____________quando as encaixámos, adequadamente,
______________________nos ritmos seculares da realidade.

____________No lusco-fusco da luz que vai andando,
_________________espectros da Verdade-que-Foi pairam
______________________por sobre as ondas do mar,
_________________________ao Longe, onde podem flutuar,

No cais dos lenços a acenar
_____vive, nas saias pretas a rezar,
________a assombração da despedida emotiva,
___________incarnação de um fogo que foi labareda,
_______________ que queimou paredes do coração
______________________à hora da maldita partida.

E as horas vão respirando mudas,
neste lugar onde floresceram outras vidas
que se desvaneceram,
entre a música dos trovadores da noite
e o vento
que vai soprando novos-velhos ares.

Maria Elisa Ribeiro

Boa tarde, amigos de Lusibero!

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Kevin OvendenSeguir
24/5 às 23:41 ·

What this news so far shows

- we do not need a state of emergency, a police state or troops on the streets

- we do not need the failed Prevent policy targeting...Ver Mais

Security services missed five opportunities to stop the Manchester bomber
The Manchester suicide bomber was repeatedly flagged to the authorities over his extremist views, but was not stopped by officers, it emerged Wednesday…

Através desta amiga, uma visão da lenta degradação do jornal "Público"

Ana Cristina Silva
17/1 ·

O sr feliz a fazer o seu trabalho... talvez um dia este senhor tenha de pagar as suas contas com unidades de felicidade, mas isso raramente acontece com este tipo de gente. Se ele queria destruir o público como jornal de referência está a fazer um excelente trabalho.

Jornal Público dispensa três colunistas
Depois de José Vítor Malheiros, agora tambem os jornalistas Paulo Moura e Alexandra Lucas Coelho anunciam a saída do jornalPúblico.

2 h ·

Inquérito confirma que os jovens emigrantes são altamente qualificados: 85% da população inquirida tem uma licenciatura de 4-5 anos, mestrado ou doutoramento.

Jovens emigrantes: só 8,4% é que já têm planos para regressar em breve
Só 31,4% dos jovens emigrantes portugueses dão como certo que irão regressar em Portugal e destes apenas 8,4% afirmam que já têm planos nesse sentido.

Poema meu (Obra Regª)



sei do teu corpo-poema estendido a repousar
nos lestos anos
que foram caminhando nos passos do vento
em fios-do-tempo

o fluir das águas confundiu-nos a vida.
conseguiu embaraçar-nos a teia- da- memória
estendido no leito-do-tempo-que-Foi-indo
a fazer viagem para as águas do mar

e vemos como se movem os dias…
olhamos para o lado e é já domingo
outra vez
voltamos a olhar e sem o ver
passam as horas…mais horas…um cúmulo de anos…
que insensatez!

o poema que vejo sair-te do corpo
chegou a tal ponto que não sabe
onde expor as palavras

____________ como se fosse um súbito relâmpago
que me sobe os degraus até à garganta__________
_____________e me ampara um grito, em forma de letras

Maria Elisa Ribeiro

Boa tarde, amigos de Lusibero!

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Boa noite, amigos de Lusibero!

HISTÓRIA DE PORTUGAL: a conquista de LISBOA, em 1147

Cerco de Lisboa (1147)
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2015)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Cerco de Lisboa

Cerco de Lisboa por Roque Gameiro
Data 1 de Julho a 25 de Outubro de 1147
Local Lisboa
Vitória decisiva dos portugueses e dos cruzados

Reino de Portugal
Cruzados Taifa de Badajoz


Afonso Henriques

Henry Glanville
Arnold III de Aerschot
Christian de Ghistelles
Simon de Dover
Andrew de Londres
Saher de Archelle Desconhecido



7,000 homens

6,000 Ingleses
5,000 Alemães
2,000 Flamengos Total:


Desconhecidas Desconhecidas



O Cerco de Lisboa teve início a 1 de julho de 1147 e durou até 21 de outubro, integrou a Reconquista cristã da península Ibérica, culminando na conquista desta cidade aos mouros pelas forças de D. Afonso Henriques (1112 - 1185) com o auxílio dos Cruzados que se dirigiam para o Médio Oriente, mais propriamente para a Terra Santa. Foi o único sucesso da Segunda Cruzada.

Após a queda de Edessa, em 1144, o Papa Eugénio III convocou uma nova cruzada para 1145 e 1146. O Papa ainda autorizou uma cruzada para a Península Ibérica, embora esta fosse uma guerra desgastante de já vários séculos, desde a derrota dos Mouros em Covadonga, em 718. Nos primeiros meses da Primeira Cruzada em 1095, já o Papa Urbano II teria pedido aos cruzados ibéricos (futuros portugueses, Castelhanos, Leoneses, Aragoneses, etc.) que permanecessem na sua terra, já que a sua própria guerra era considerada tão valente como a dos Cruzados em direcção a Jerusalém. Eugénio reiterou a decisão, autorizando Marselha, Pisa, Génova e outras grandes cidades mediterrânicas a participar na guerra da Reconquista.

A 19 de maio zarparam os primeiros contingentes de Cruzados de Dartmouth, Inglaterra, constituídos por flamengos, normandos, ingleses, escoceses e alguns cruzados germanos. Segundo Odo de Deuil, perfaziam no total 164 navios — valor este provavelmente aumentado progressivamente até à chegada a Portugal. Durante esta parte da cruzada, não foram comandados por nenhum príncipe ou rei; a Inglaterra estava em pleno período d'A Anarquia. Assim, a frota era dirigida por Arnold III de Aerschot (sobrinho de Godofredo de Louvaina), Christian de Ghistelles, Henry Glanville (condestável de Suffolk), Simon de Dover, Andrew de Londres, e Saher de Archelle.

A armada chegou à cidade do Porto a 16 de junho, sendo convencidos pelo bispo do Porto, Pedro II Pitões, a tomarem parte nessa operação militar. Após a conquista de Santarém (1147), sabendo da disponibilidade dos Cruzados em ajudar, as forças de D. Afonso Henriques prosseguiram para o Sul, sobre Lisboa.

As forças portuguesas avançaram por terra, as dos cruzados por mar, penetrando na foz do rio Tejo; em junho desse mesmo ano, ambas as forças estavam reunidas, ferindo-se as primeiras escaramuças nos arrabaldes a Oeste da colina sobre a qual se erguia a cidade de então, hoje a chamada Baixa. Após violentos combates, tanto esse arrabalde, como o a Leste, foram dominados pelos cristãos, impondo-se dessa forma o cerco à opulenta cidade mercantil.

Bem defendidos, os muros da cidade mostraram-se inexpugnáveis. As semanas se passavam em surtidas dos sitiados, enquanto as máquinas de guerra dos sitiantes lançavam toda a sorte de projéteis sobre os defensores, o número de mortos e feridos aumentando de parte a parte.

No início de outubro, os trabalhos de sapa sob o alicerce da muralha tiveram sucesso em fazer cair um troço dela, abrindo uma brecha por onde os sitiantes se lançaram, denodadamente defendida pelos defensores. Por essa altura, uma torre de madeira construída pelos sitiantes foi aproximada da muralha, permitindo o acesso ao adarve. Diante dessa situação, na iminência de um assalto cristão em duas frentes, os muçulmanos, enfraquecidos pelas escaramuças, pela fome e pelas doenças, capitularam a 20 de outubro.

Entretanto, somente no dia seguinte, o soberano e suas forças entrariam na cidade, nesse meio tempo violentamente saqueada pelos cruzados.

Decorrente deste cerco surgem os episódios lendários de Martim Moniz, que teria perecido pela vitória dos cristãos, e da ainda mais lendária batalha de Sacavém.

Alguns dos cruzados estabeleceram-se na cidade, de entre os quais se destaca Gilbert de Hastings, eleito bispo de Lisboa.

Após a rendição uma epidemia de peste assolou a região fazendo milhares de vitimas entre a população.

Lisboa tornar-se-ia a capital de Portugal em 1255.
Os cruzados na conquista de Lisboa (1147)[editar | editar código-fonte]

Ora como tivéssemos chegado ao Porto, o bispo com seus clérigos veio ao nosso encontro. O rei achava-se então ausente com o seu exército, lutando contra os mouros. Feitas a todos as saudações conforme o costume da sua gente, disse-nos o bispo que já sabia que nós havíamos de chegar, e na véspera recebera do rei uma carta, em que se dizia isto:

«Afonso, rei de Portugal, a Pedro, bispo do Porto, saúde. Se porventura arribarem aí os navios dos Francos, recebei-os diligentemente com toda a benignidade e doçura e, conforme o pacto que com eles fizerdes de ficarem comigo, vós e quantos o quiserem fazer, como garantia da combinação feita, vinde em sua companhia a ter comigo, junto de Lisboa. Adeus !»

Carta do cruzado inglês Osberno (séc. XII)


A BOLA partilhou uma ligação.
15 h ·

ABOLA.PT - Ajax - Manchester United DIRETO


De Gilles DELEUZE, in Kd frases:

"“É provável que as noções de singular e de regular, de notável e de ordinário tenham, para a própria filosofia, uma importância ontológica e epistemológica muito maior que as de verdadeiro e de falso, relativas à representação, pois o que se chama sentido depende da distinção e da distribuição desses pontos brilhantes na estrutura da Idéia.”
― Gilles Deleuze

- http://kdfrases.com/autor/gilles-deleuze

Boa tarde, amigos e visitantes de Lusibero!

Poema Registº



Tingem-se as pálpebras da mulher
que canta o azul nas dores cinzentas do mundo-da-vida.

________A noite, vestida de gala, de azul adornada,
___________afasta do pensamento brilhante da lua,
_____________alegre e desempoeirada, os olhos tingidos de dor
_____________________da mulher, que canta o belo da madrugada.

Lua de cetim e veludo, entranhada
nas cores da terra semeada, sorri
ao- sol- a- abrir de madrugada.

Blue velvet…
…belo veludo azul dos mantos verdes das árvores,
…da água dos rios a correr-num-cantar-de-águas-ciciadas…
…dos orvalhos cristalizados em cima da alma das flores…
…dos galhos das árvores que se agitam,
quando ouvem as pálpebras da mulher, na noite
lavada de azul-tom-estrela…naturalmente odorosa e bela.

Canta, mulher, o teu azul - despedida!
…de quando partem as andorinhas,
… de quando grasnam as gaivotas roucas de sal e espuma,
…de quando as papoilas explodem rubras nos trigais dourados,
…de quando as rosas, não sendo azuis,
têm ciúmes das tuas cantatas…

Canta, mulher!

Sobre o mar ondulante, de azul vestido, desenham
__________ as nuvens, flores e animais alados,
no espaço onde a Lua Crescente abre brechas de luz_____________
_____________em cristais iluminados pelos passos gelados
das nebulosas distantes dos cantos da vida__________________

Maria Elisa Ribeiro